APASE - Sindicato dos Supervisores de Ensino do Magistério Oficial no Estado de São Paulo

Notícia

05/09/2016

APASE promove debate internacional sobre Assédio Moral

Sessão destinada aos filiados com palestrantes do México, Cuba, Costa Rica e Brasil

  

Uma mesa-redonda com a participação de palestrantes internacionais foi promovida pelo Sindicato-APASE para debater o tema “Assédio Moral no Trabalho: como identificar e prevenir” no dia 26 de agosto, com a participação de 138 Conselheiros, Diretores e Supervisores de Ensino interessados.


Segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT) a “prática de assédio moral consiste em conduta abusiva e antiética - por meio de palavras, gestos ou comportamentos -, repetitiva ou cotidiana que, atentando contra a integridade física ou psicológica do trabalhador, ameace a relação empregatícia ou degrade o ambiente de trabalho. Frequentemente, essa prática está associada a relações hierárquicas e assimétricas”.
Foram cinco os palestrantes convidados: -Margarida M. Silveira Barreto (Brasil), -Roberto Heloani (Brasil), -Elias Garcia Rosas (México), -Xinia Perez Quesada (Costa Rica); e -Lydia Guevara Ramirez (Cuba).


Em pesquisa publicada pela Revista Exame, o assédio moral atingia 52% dos trabalhadores brasileiros, em 2015, dez por cento a mais que pesquisa realizada pela OIT, em 2014.


Para o Prof. Heloani essa constatação do aumento de casos ocorre, principalmente, pela maior consciência do trabalhador em relação a seus direitos. “Temos dúvidas se realmente o número de pessoas assediadas aumentou mas, certamente, o número de pessoas com consciência de seus direitos básicos, aquilo que chamamos de direitos fundamentais, aumentou em decorrência disso. As estatísticas sobem e as pessoas começam a procurar a Justiça fazendo denúncias, pedindo para que haja uma audiência civil pública enfim, as pessoas começam a observar que elas não são obrigadas a ficar num local de trabalho sendo humilhadas, desconsideradas, tratadas como coisas. Isso é um progresso, sem sombra de dúvida.”


Ele acredita que a luta está no início e por isso a importância da discussão do tema no Sindicato-APASE, para mostrar ao “Supervisor que ele é um sujeito do processo e não pode simplesmente se omitir, ser neutro em relação a questões de humilhação, de maus tratos, de práticas racistas e de outras formas de discriminação”, salientou Heloani.


Esta é uma questão que ocorre tanto no serviço público quanto no privado, esclarece a Profa. Margarida Barreto, porém, com uma característica bem diferenciada: nas empresas públicas, ela demora no tempo.


“Já constatei assédio no setor público em que a pessoa estava sendo vítima há 10, 12 anos. Isso é um massacre! Você ser humilhada, desqualificada, constrangida publicamente, ou não, ao longo do tempo, não há nenhuma pessoa que suporte esse tipo de conduta. Ela quebra no mais fundamental: suas emoções, afetividade, seus sentimentos. E isso não se restringe à ela e ao ambiente de trabalho, também repercute na própria família”, concluiu Barreto.

 

- Abaixo os materiais disponibilizados pelos palestrantes:

 Xinia Quesada – 58Mb - (Descompactar o arquivo no computador e depois executar o arquivo "Prezi.exe")

 Elias Rosas - Factores para prevenir, detectar, combatir y sancionar el acoso moral en el trabajo

 Lydia Ramirez - Visualizando los factores que provocan violencia en el trabajo

 Margarida Barreto – Assédio Moral no trabalho – como identificar e prevenir

 Roberto Heloani - Assédio Moral no trabalho

 

Sessão de Estudos

Sessão de Estudos anteriores

Últimas Notícias


Notícias anteriores

APASE - Sindicato dos Supervisores de Ensino do Magistério Oficial no Estado de São Paulo
Rua do Arouche - 23 - 1° Andar - CEP 01219-001 - SP - São Paulo - Telefone - (11) 3337 6895